quinta-feira, novembro 15, 2012

Pequenos Rebentos

Não conhecia, ou dito de outra forma, conhecia apenas o seu nome. O Nuno deu a provar neste dia e o resultado, o meu, aquele que interessa, é que não preciso ser um pretenso grande vinho, e há muitos por aí, para cumprir (quase) na plenitude o que queremos dele.


E eu quero um vinho descomplicado, saudavelmente ligeiro, sem estar armado naquilo que não é. Só a ganhar. É um alvarinho de estirpe fresca, airosa e perfumada.


Depois gosto nome, gosto da juventude, gosto do aroma, do sabor. Enfim gostei dele. E que continue a ser um Pequeno Rebento.

3 comentários:

momenta disse...

A minha opinião sofre de parcialidade por ser amigo do produtor (Márcio Lopes), mas este vinho tem uma combinação corpo/frescura rara, com todo o potencial da casta a acrescer qualidade. Acredito neste projecto, mais um a acompanhar. O Pequenos Rebentos Touriga Nacional deixou-me encantado, grande vinho!

Pingus Vinicus disse...

Gostei francamente deste Alvarinho.
Pequenos Rebentos Touriga Nacional? Pode falar mais sobre esse vinho?

momenta disse...

Pingus
Foi uma experiência no Douro, penso que na Quinta do Silval, onde vinificaram 3 barricas de um varietal de Touriga Nacional, colheita 2008. Estagiou 18 meses e saiu para o mercado numa caixa de luxo, com 2 garrafas. Quantidade reduzida, que penso já ter esgotado no produtor. O vinho saiu bem encorpado e complexo, com o carácter que eu aprecio muito na TN com barrica. Com taninos e acidez bem ligados, consegue uma elegância que me surpreendeu. É um grande reserva de categoria. De salientar que o bebi com um cabrito assado, que ajuda a acomodar um vinho mais potente. Contribuiu para tornar inesquecível o almoço de 01/01/2012. Que mais há dizer? Pequeno Rebentos tem página no facebook.