quinta-feira, Setembro 20, 2012

Flor das Maias

Se há flor representativa da minha terra é a maia. É flor pobre, nasce ao desbarato por meio do mato, é rude, sem qualquer requinte. É flor de povo e, como tal, creio que não estará em mesa de nobre, burguês ou abastado. É a flor da giesta. Planta que servia para vassourar as ruas, os soalhos, a caca das capoeiras. É, a maia, flor da minha terra. É, também, a flor da terra da minha mãe. Acredito, tento, que ela ainda estará, certamente, a mirar para as suas maias.


Maia é Maio. Em Maio, segundo a tradição, faz-se a Festa das Maias. Lembro-me de qualquer coisa do género, enquanto novo. Agora, o mais certo, é ter sido extinta, resultado da limpeza populacional imposta ao Interior deste paupérrimo país.


Os enfadados leitores, desta pequena tarimba, estarão a questionar-se, por certo, sobre a eventual ligação que haverá terá entre o vinho que titula, e ilustra, e a pregação de hoje. Toda a ligação.


O vinho vem de uma encosta repleta de giestas que se tinge de amarelo por alturas de Abril e Maio. É vinho que reflecte, tal espelho límpido, o carácter da serra. É vinho silvestre, por vezes duro e intenso. É vinho de noite, longa e sem pressas. Vinho que fala serrano, vinho que nasce cerceado por pastos. É, portanto, vinho da minha terra. Da terra da minha mãe.


Sem comentários: