sexta-feira, maio 25, 2012

O Núcleo Duro, o Reencontro e os Vinhos

Um blog como o Pingas no Copo, que serve para tanta coisa sem sentido e em que o desatino tende a fazer escola, consegue, por breves momentos, comportar-se como um menino do coro. Os motivos assim o exigem.
O Núcleo Duro, ajuntamento que existe há uma porrada de anos, voltou ter à mesa todos os seus membros. Este sombrio e por demais conhecido grupo tem consumido litros e litros de vinho nos últimos dez anos. Uma ode!


Francisco Barão da Cunha, autor do Enófilo Militante, Juca, Paula Costa, João Quintela, Jorge Sousa, Pedro Brandão e myself, na versão Rui Miguel, estiveram frente a frente para esvaziar, mais uma vez, um sem número de garrafas.


Não irei, porque não apetece, porque não é importante, porque bocejariam, por certo, fazer qualquer narrativa sobre cada vinho.
Deixo-vos as fotos que falam melhor que eu, e breves comentários. Apraz-me nomear, no entanto e para gáudio estritamente pessoal, um vinho do Dão, um Touriga Nacional. Marcou a noite.


Um Porto branco da Quinta da Casa Amarela. Para conhecer.


O tal vinho, Quinta dos Carvalhais, que marcou a noite pela elegância, pela finesse e sei lá mais o quê.


Um Bairrada bordalês, assim pareceu. Consistência.


Madeira presente, quiçá em demasia. Um Quinta do Monte D'Oiro com algum desequilibrio e a desiludir.


Um vinho das Terras do Sado, S de Soberanas, bem alentejano. Moderno e universal.


Um Poeira em Magnum. Maduro, pouco interessante e a faltar-lhe finura. 


Soalheiro Primeira Vinhas, também em magnum, a que também não liguei por ali além.


Depois um extradordinário Bual de 1977 da Madeira Wine Company. Que alguém faça, assim que conseguir e puder, as suas descrições.

2 comentários:

airdiogo disse...

Os tintos são todos de 2004 de propósito ou foi apenas coincidência?

Pingus Vinicus disse...

Foi de propósito. Decisão e responsabilidade de João Quintela