sexta-feira, Setembro 16, 2011

Casa de Saima

Tal como descrevi aqui, o que se passou por agora não é muito diferente. O processo foi simples. Ida às compras e, por entremeio, carrega-se uma garrafa para dentro do saco. Que maldito vicío!
A proposição alinhou, portanto, pela singeleza de método. Dito isto, nada há mais a dizer sobre esta matéria.

O vinho da Colheita de 2008, o enfoque, o objecto de discussão, se houver interesse, revelou-se uma grata e valente surpresa. Apetece dizer, perdoem-me aqueles mais parcimoniosos, que temos aqui um belo e personalizado vinho, que custou menos de quatro euros, capaz de oferecer um curioso leque de cheiros e sabores. Pois é...

Post Scriptum: Entretanto dêem uma olhadela num artigo colocado no Garficopo.

5 comentários:

paulo disse...

Boa noite Rui!!!
...agora giro, giro é fazermos uma vertical na adega em Saima!! Tira um tempinho para isso.
Abraço amigo!
P.S Continuo a precisar de malta para a vindima.

Paulo Nunes

ricardo disse...

A ver se o encontro na prateleira!

Pingus Vinicus disse...

Paulo, estou a ver se no fim deste mês de setembro consigo tirar uns dias e passar por Gouveia. Pode ser que dê para irmos a Saima.

Aquele abraço

João de Carvalho disse...

Uma vez que é moda provar vinhos da Bairrada tenho de perguntar ao Paulo se essa vertical é exclusiva ou é aberta ao restante povo que andou em provas por terras de Gouveia ?

paulo disse...

Nem parece teu João!!! Essa pergunta é ofensiva amigo!! Claro que é para essa malta...todos os apaixonados pela causa são sempre bem vindos... era boa ideia começar a agendar!!!