segunda-feira, Fevereiro 14, 2011

Campolargo (Bairrada) Cerceal e Pinot Noir

Vinhos provados e bebidos, porque não, com enorme satisfação. Digo, lá do alto da minha sobranceria e sapiência, que estão aprovados e com distinção. Merecem, ambos e sem qualquer margem para dúvida, entrar no quadro de honra de qualquer enófilo.
Dois vinhos que devem ser falados e consumidos pelo povo. Um é branco, cimentado com Cerceal (mais Bical e Arinto). Sabores e aromas fortemente vegetais. O tinto, edificado com o Pinot Noir, revela-nos que é, ainda, possível criar vinhos diferenciadores e prazenteiros.

Resta-me, por ora, dizer que temos aqui um verdadeiro filão enófilo, digno de ser explorado até à exaustão. Comprem, em quantidades razoáveis, e bebam.

6 comentários:

António disse...

Não podia concordar mais quanto ao Pinot Noir (o outro ainda não provei). Por menos de 10 euros é um vinho incomum na sua elegância e na pujança da sua fruta. Fantástico!

Anónimo disse...

Caros António e Pingus,
Também gosto, e muito, do Pinot do Campolargo mas achei que o 2008 estava francamente marcado por madeira (pau) e com pouca fruta. Comparando com o 2007, julgo que o 2008 é claramente inferior. Também é importante referir que o 2007 custava cerca de 20/ 25 euros e este é bem mais barato. Será que poderá melhorar em garrafa de forma a tudo se harmonizar melhor? Vou guardar umas duas garrafas para abrir daqui a um ano.
Cumprimentos

Caro Pingus,
Grande blog. Sou visitante assíduo.

Bruno Miguel Jorge

Pingus Vinicus disse...

Olá Bruno, antes de mais obrigado pelas simpáticas palavras.

Relativamente ao Pinot, sou franco não conheço a colheita de 2007, logo não poderei fazer comparações. De qualquer modo, e como diz e bem, atendendo ao preço que tinha e ao preço que tem, este 2008 está muito bom e merece ser consumido e guardado (é o que eu vou fazer).

Um abraço

João de Carvalho disse...

Rui, conheces o 2007 que foi o que levei a tua casa no dia do Pera Manca com Pargo de 3 kilos no forno.

Pingus Vinicus disse...

Ok ok ok, não me recordava de todo.

Catenaccio disse...

Boa tarde Rui Massa (e restantes leitores),

Vou aproveitar a 'dica' Bairrada para aflorar alguns vinhos que adquiri ontem, durante o dia. Peço desculpa por extravasar, um pouco, o âmbito do post, mas gostaria de saber a vossa opinião (aberta da todos) sobre os seguintes vinhos (tintos):

Quinta de Pancas (Estremadura Reserva Especial 2003 (oferta de um amigo)

Quinta de Saes (Dão) Reserva 2007 Estágio Prolongado

Quinta do Poço do Lobo (Bairrada) Reserva 2007

Julia Kemper (Dão) 2008

Que me podem adiantar sobre estes vinhos? Na Garrafeira Nacional aconselharam-me a decantar o JK 2008. Sugerem o mesmo?

Já agora, um amigo soprou-me ao ouvido que a Bairrada (alguns clássicos) anda a despertar muito interesse neste mundo dos apaixonados pelo néctar dos deuses, com boas escolhas para guarda futura. O Qt.ª do Poço do Lobo reúne esses requisitos? Abro, nos próximos tempos, ou posso deixar a "marinar" para aquela ocasião mais especial?

Muito obrigado. Qualquer feed-back é francamente apreciado.

Cumprimentos!