quinta-feira, Março 26, 2009

Frei João (Bairrada) Branco 2003

Tive que vir a correr para aqui. É um acontecimento que merece ficar registado. Momentos Kodak.
Gastei 2.50€ num vinho branco que andava aos caídos numa prateleira. O risco de ir pela pia abaixo estava bem calculado. Eram apenas 500 escudos (moeda antiga).
Verteu com uma cor algo carregada. O cheiro que esvoaçava, à frente das ventas, chegou a meter algum medo. Solto de aromas menos próprios começou a largar, por tudo quanto era sítio, sensações interessantes e, acima de tudo, muito vivas. Fruta de várias qualidades. Amarela, branca e verde. Escolham vocês. Os citrinos gotejavam e o vegetal grassava com intensidade. Deram-lhe vida, limpeza e frescura. Vou fazer os possíveis para diminuir o número de adjectivos usados.
Espreitando para o copo, vi no fundo um aglomerado de pedras molhadas. Sou assombrado pelo mineral. Estava razoavelmente intenso. Abusando da vossa paciência, e dando rédea solta à loucura, sonho com flores. Mimosa e malmequer. Umas lá no alto, outras rasteiras. Bonito. Por cada cheiradela, confronto-me com algo novo. Autêntica alienação.
O sabor era tendencialmente seco e citrino. Leves nuances petroladas cobriam o corpo, mascarando a sua fragilidade (não se pode ter tudo). Acidez presente.
O final, apesar de curtinho, deixa na boca um rasgo de frutos secos levemente melados. Nota Pessoal: 15

Era uma garrafa que andou aos trambolhões por tantos lugares. Um disparo de sniper. Quantas garrafas serão necessárias (abrir) para termos uma em condições?

1 comentário:

Raul e Joel Carvalho disse...

Cá está o que costumamos dizer: Vinho baratos, por vezes, tem boa qualidade...

Abraços Pingus

www.do-nariz-a-boca.blogspot.com